Como os pais podem ajudar os filhos com a matemática?

People photo created by mego-studio - www.freepik.com

Aqui no blog do Mentalidades Matemáticas você já viu que muito antes de atingir a idade escolar as crianças já apresentam senso numérico. Mas a grande missão, para muitas famílias, é justamente quando os pequenos passam a frequentar a sala de aula. Não é raro ver casos em que o encanto pela matemática se perde nesse momento, tornando o desafio dos pais em ajudar os filhos com a matéria ainda mais complicado.

A professora Jo Boaler, criadora do programa Mentalidades Matemáticas, explica o que acontece nessas situações em que o fascínio pela disciplina se transforma em temor. “Isso ocorre porque, em muitas escolas, a matemática limita-se a procedimentos, memorização e à separação entre quais crianças podem estudá-la, e quais não”, aponta. “Alunos de todas as idades estão mais inclinados a dizer que a matemática tem a ver com achar as respostas certas, em vez de falar sobre a beleza da matéria e a forma como ela desperta seu interesse.”

Diante desse contexto, comum para muitas famílias brasileiras, os pais têm o papel fundamental em se manter incentivadores dos seus filhos. A matemática não é para poucos e nem ao menos um conjunto de “decorebas”. Com os estímulos certos, o aprendizado acontece e se torna bastante prazeroso. A seguir, veja sugestões de Jo Boaler para colaborar com os estudos desde cedo.

6 dicas para os pais ajudarem os filhos com a matemática

<a href='https://www.freepik.com/photos/school'>School photo created by artursafronovvvv - www.freepik.com</a>
Imagem: Freepik

1. Mostre que a matemática pode ser divertida

Quem foi que disse que aprendemos matemática exclusivamente na escola? Para começo de conversa, a disciplina está em tudo – das horas no relógio até nas flores do jardim ou mesmo na pizza do jantar. E mais: passatempos divertidos podem ser feitos em casa usando matemática. Vocês podem jogar dados ou apenas observar mais atentamente cenas comuns do cotidiano e explorar conceitos da disciplina nelas. Tudo isso contribui com o desenvolvimento do senso matemático e, de quebra, prova que brincando a gente também aprende!

2. Não fale “eu era ruim em matemática”

Quando os filhos sentem dificuldade na escola, na tentativa de ajudá-los, muitos pais tendem a dizer que também não eram “bons” em matemática. Pesquisadores, contudo, já revelaram que a prática afeta o desempenho dos filhos na disciplina, e o cenário é ainda pior quando são as mães que falam isso para as filhas. 

Mesmo que matemática não tenha sido sua matéria preferida na escola, invista no incentivo e não se esqueça que as referências são importantes para motivar os alunos. Tem tarefa de casa? Mostre-se animado para ajudar seu filho a resolver. “E não se preocupe se você não souber fazer o dever de casa dos seus filhos. Peça-lhes que o expliquem pra você. Essa pode ser uma das experiências mais encorajadoras que os pais podem dar aos filhos”, afirma Jo.

E você sabia que essa história de que há pessoas ruins e outras boas em matemática não passa de um mito? Clique aqui e veja as maiores fake news que já te contaram sobre o aprendizado da disciplina!

3. Guarde o elogio de “como você é inteligente!”

Mais um erro comum dos pais, ainda que a intenção seja boa, é elogiar bom desempenho com frases ressaltando a inteligência do filho. “Isso parece uma coisa legal de se fazer, mas vai gerar dificuldades para as crianças no futuro; quando elas não se saírem bem em alguma coisa, vão inevitavelmente concluir que não eram inteligentes”, pontua Jo. 

<a href='https://www.freepik.com/photos/love'>Love photo created by aleksandarlittlewolf - www.freepik.com</a>
Imagem: Freepik

Focar no esforço ao invés da inteligência contribui com o desenvolvimento da mentalidade de crescimento. Quando pensamos assim, acreditamos que somos capazes e que nosso potencial é ilimitado – o que, de fato, a neurociência já provou que é o que acontece. Clique aqui e veja elogios e palavras de incentivo que realmente contribuem para o pequeno ir mais longe.

4. Incentive o senso numérico

“O que separa o bom desempenho do mau é o senso numérico”, pontua Jo. A professora explica que isso significa ter uma ideia da grandeza dos números e ser capaz de separá-los e combiná-los de maneira flexível. “Por exemplo, ao somar 29 + 56, se você tirar um de 56 e torná-lo 30 + 55, sua resolução do cálculo se torna muito mais fácil.” 

Lembra dos jogos com dados? Eles podem contribuir com o desenvolvimento do senso numérico. Para entender mais sobre o assunto e como trabalhá-lo, confira materiais do Youcubed (a plataforma de divulgação do Mentalidades Matemáticas) sobre o tema aqui.

5. Tente entender como eles pensam

A neurociência já provou que errar faz parte do processo de aprendizado. Por isso, nada de punir os erros dos filhos. Quando eles estiverem tentando resolver um problema e não chegarem na resposta correta, vale mais descobrir a lógica do seu raciocínio. “Por exemplo, se o seu filho multiplica 3 por 4 e obtém 7, diga – ah, entendi o que você está pensando, você está usando o que sabe sobre adições para somar 3 e 4, quando a gente multiplica tem 4 grupos de 3…”, sugere Jo.

6. Lembre-se que cada etapa é importante

Muitas vezes, na tentativa de ajudar, resolvemos a parte mais difícil do problema. Não raciocine pelo seu filho. Uma sugestão mais eficaz é pedir para que o pequeno recoloque o problema em suas próprias palavras. Você também pode incentivá-lo a desenhar a questão – fazer uso de recursos visuais, aliás, tem se mostrado bastante eficiente no aprendizado da matemática. “Tanto o desenho quanto a reformulação de problemas ajudam a criança a entender o que os problemas estão perguntando e como a matemática se encaixa dentro deles”, assegura Jo.

No Youcubed estão disponíveis mais recursos para os pais. Tem outros artigos de Jo Boaler e sugestões de atividades (acesse). Muito mais do que a escola, a família em casa pode fazer a diferença no aprendizado da matemática!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *