O movimento

Abordagem utilizada no Programa Mentalidades Matemáticas comprova que é possível aprender e ensinar a matemática de forma aberta, criativa e visual. 

Quem somos

O Programa Mentalidades Matemáticas no Brasil foi cocriado pelo Instituto Sidarta e pelo Centro de Pesquisas Youcubed, da Universidade de Stanford. Este programa tem como base os estudos da professora e pesquisadora Jo Boaler, da Universidade de Stanford, aliados à estratégia do trabalho em grupos colaborativos, desenvolvido pelas pesquisadoras Rachel Lotan e Elizabeth Cohen, da mesma universidade. Jack Dieckmann, diretor de pesquisa do Youcubed da Universidade de Stanford, também integra a equipe, apoiando professores em formação e em eventos desenvolvidos no Brasil.

Nossa abordagem

Dentro da abordagem das Mentalidades Matemáticas, compartilhamos com os  professores estratégias de como trabalhar a disciplina com seus alunos de forma mais aberta, criativa e visual, priorizando a investigação matemática. O Programa incentiva discussões colaborativas e valoriza as diferentes maneiras de pensar a matemática, por considerar que toda criança é capaz de aprendê-la em profundidade, para além de procedimentos, fórmulas e memorização, ou seja, como coloca a pesquisadora Jo Boaler, aprender matemática em altos níveis. 

A constatação de Jo Boaler de que todos podem aprender matemática em altos níveis nos fez, em 2016, tomar a decisão de trazer o Mathematical Mindset – Mentalidades Matemáticas – para o Brasil. Mudar o cenário do ensino da matemática era, e continua sendo, urgente. Isto porque dados do PISA indicam que cerca de 35 milhões de brasileiros entre 15 a 29 anos não dominam noções básicas da disciplina. 

Jo Boaler questiona, pesquisa, problematiza e propõe reflexões profundas sobre o ensino da matemática e as relaciona com as descobertas mais recentes da neurociência. Seus estudos levam a discussão a outro patamar quando afirma que todos são capazes de aprender matemática, independentemente do gênero, do lugar social, da etnia e até mesmo das escolhas profissionais que os estudantes farão. 

O Mentalidades Matemáticas Brasil é uma tropicalização da abordagem americana, aliados à estratégia do trabalho em grupos colaborativos, desenvolvido pelas pesquisadoras Rachel Lotan e Elizabeth Cohen, da mesma universidade.

Começamos por traduzir a obra da pesquisadora com o intuito compartilhá-la com educadores brasileiros. Além da tradução de quatro livros e do gerenciamento da plataforma Youcubed no Brasil, nós promovemos formações para professores e gestores escolares, ajudando a inspirar e difundir esse novo olhar para o aprendizado e ensino de matemática no Brasil. Além disso, estamos construindo uma base sólida de evidências sobre o impacto desta abordagem e suas práticas nas salas de aulas por meio de incentivo e desenvolvimento de pesquisas.

A matemática é aberta, criativa e visual

O Programa Mentalidades Matemáticas busca inspirar educadores e estudantes por meio de práticas abertas, criativas e visuais de aprendizagem colaborativa. Unindo teoria, descobertas e evidências mais recentes da neurociência e de ensino de matemática à prática, atividades, formações e recursos para sala de aula, buscamos promover um ensino de matemática que promove altos níveis de engajamento e aprendizagem nos contextos mais diversos. 

Na prática, a abordagem empodera as crianças em atividades desafiadoras que promovem a aprendizagem. O programa se apoia na ideia de que os os alunos são protagonistas do processo. O Programa Mentalidades Matemáticas também incentiva o desenvolvimento da cultura do “ser matemático”, na qual buscamos construir a identidade do professor e do aluno como pensadores matemáticos. Trabalhar habilidades, como por exemplo fazer conjecturas, descrever o raciocínio matemático, elaborar argumentos e usar diferentes formas de representações visuais (uso de código de cores, tabelas, gráficos) são alguns dos pontos abordados.

As decisões por uma aprendizagem mais colaborativa, visual, criativa e aberta promovem maior engajamento e cultiva uma mentalidade de crescimento em alunos e professores. Assim, desenvolve-se a cultura de que todos podem aprender qualquer conteúdo e que todos têm habilidades para isto, valorizando e reconhecendo a importância do esforço no processo de aprendizagem. 

Jo Boaler (esquerda) e Jack Dieckmann (direita).

*O programa Mentalidades Matemáticas no Brasil é uma cocriação do Instituto Sidarta e do Centro de Pesquisas Youcubed, da Universidade de Stanford com apoio do Itaú Social.

Quer saber mais sobre o assunto?

Separamos um PDF com tudo que você precisa

Veja também