Saiba como Alice no País das Maravilhas é uma fantasia matemática

Diálogos e cenas da obra seriam carregados de sátiras a respeito de teorias matemáticas que avançavam na época

“Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll, é uma das mais conhecidas obras da literatura infantil. Suas cenas surreais se tornaram famosas em filmes e desenhos animados, mas há muito mais por trás dos mistérios da obra. O autor, que na verdade era o professor de matemática Charles Lutwidge Dodgson (1832-1898), usou diversas cenas e personagens para colocar problemas de lógica e suas considerações sobre a matemática considerada “da moda” no meio do século 19, quando escreveu o livro. 

Com o próprio nome, Dodgson, que lecionou em Oxford por 26 anos, publicou livros sobre geometria algébrica plana, jogos de lógica e a vida de Euclides (matemático grego que viveu em Alexandria, aproximadamente entre 323-283 a.C. e é considerado o Pai da Geometria). Segundo o matemático Martin Gardner, suas aulas na universidade eram consideradas chatas demais, embora Dodgson fosse um razoável autor de passatempos lógicos. Ficou famoso pelo pseudônimo Lewis Carroll, no livro escrito a partir de histórias que ele contava em passeios de barco às filhas do reitor do centro onde lecionava – uma delas chamada Alice Pleasance Liddell. 

Dodgson tinha sérias reservas com a álgebra simbólica, que é basicamente a maneira como hoje fazemos a notação matemática. Muito conservador, grande admirador da geometria de Euclides, ele não via sentido naquilo. Proposto em meados do século 19 por Augustus de Morgan, o sistema simbólico era modernoso demais para o gosto do professor. Por que dizer que a² = b²+c² se é possível, como Euclides em “Os Elementos”, dizer que “em triângulos retângulos, o quadrado do lado que subentende o ângulo reto é igual aos quadrados dos lados que contêm o ângulo reto”, não é mesmo?

Melanie Bayley, pesquisadora de literatura em Oxford, diz ter elementos para afirmar que boa parte da trama de “Alice” era a vingança irônica de Dodgson contra o que considerava modismos da matemática – muitos deles fundamentais hoje. 

Morgan sustentava que mesmo que a álgebra tivesse sido reduzida a um conjunto aparentemente absurdo mas lógico de operações, algum tipo de significado seria resgatado. Carroll teria ironizado isso na conversa de Alice com a Lagarta, quando ela morde lados diferentes de um cogumelo e cresce de maneira descontrolada. 

A pesquisadora afirma que o mundo em que Alice entra depois de cair no toca do coelho serve como uma alegoria das ideias que estavam sendo introduzidas. Um retrato de como isso ocorre no livro é o momento em que Alice encontra com a lagarta e após comer o bolo, seu corpo começa a mudar de tamanho. E para recuperar a dimensão original, ela precisa comer proporções semelhantes de cada lado de um cogumelo, já que um lado a faria crescer, enquanto o outro diminuiria seu tamanho.

Outra ideia em que Dodgson não via pé nem cabeça era a dos números negativos. Isso, segundo Bayley, é ironizado na cena da festa do chá, quando Alice encontra o Chapeleiro Louco e a Lebre de Março após ser enviada pelo Gato de Cheshire (“visite qualquer um dos dois, ambos são loucos”, disse o gato à menina). A brincadeira vem neste diálogo:

– Tome um pouco mais de chá – ordenou a Lebre de Março para Alice, muito seriamente.

– Mas eu ainda não bebi nada… – replicou Alice, ofendida. – Como é que posso tomar mais?

– Menos, você quer dizer – disse o Chapeleiro. – É muito mais fácil tomar mais do que nada.

Melanie Bayley diz que tudo isso se baseia em pistas, sem documentação certeira sobre as motivações reais de Dodgson/Carroll. Mas, segundo ela, são esses os elementos que fazem a graça da obra. “A matemática deu a ‘Alice’ um lado mais sombrio, e transformou o livro numa espécie de charada capaz de fascinar pessoas de todas as idades durante séculos.”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *