Veja como foi o Seminário Mentalidades Matemáticas 2018 no Brasil

Em maio de 2018, o Seminário Mentalidades Matemáticas trouxe para educadores e gestores brasileiros um encontro com alguns dos principais nomes por trás da abordagem de ensino que propõe o ensino de uma matemática mais aberta, criativa e visual em sala de aula. No evento, realizado pelo Instituto Sidarta, Fundação Lemann e Itaú Social, Jack Dieckmann, diretor de pesquisa do  Youcubed (a plataforma de divulgação do Mentalidades), além da própria criadora do programa, Jo Boaler, compartilharam com os participantes estratégias que podem contribuir com o ensino.

Ambos são pesquisadores da Universidade de Stanford (EUA), onde o Mentalidades Matemáticas foi criado. Em participação por vídeo, a professora Jo Boaler falou sobre as contribuições da neurociência na aprendizagem matemática. “Quando a matemática é mais visual, todos os alunos participam e aprendem mais”, defendeu. 

Saldo do Seminário Mentalidades Matemáticas 2018

A intenção do encontro com as 150 pessoas presentes (professores, formadores e gestores) foi conscientizar sobre a urgência de tratar a educação matemática no Brasil. Para se ter uma ideia, aproximadamente 70% dos jovens brasileiros ainda não atingiram o nível mínimo em matemática para exercer a plena cidadania.

Para mudar esse cenário, novas propostas de ensino como o Mentalidades Matemáticas trabalham com recursos diferentes para engajar os alunos e fazê-los aprender. Sempre com base em pesquisas de neurociência, a abordagem prioriza, como lembrado por Jo, o uso de recursos visuais para explicar conceitos e, sobretudo, parte do princípio de que todos são capazes de aprender matemática em altos níveis.

Durante o seminário, para reforçar esse preceito, Jack Dieckmann propôs algumas atividades para que o público refletisse sobre o que as próprias experiências cotidianas carregam de conceitos matemáticos (e tem muita coisa!). O pesquisador lançou um desafio: como levar o dia a dia para a sala de aula e planejar atividades matemáticas que também já fazem parte da rotina dos alunos? É importante que os professores pensem nisso, pois atitudes assim aproximam os estudantes da disciplina.

Veja os artigos científicos que embasam a abordagem

Atividades e trocas

Os professores do Colégio Sidarta, escola de aplicação do Instituto Sidarta, ensinaram aos participantes alguns jogos utilizados por eles em sala de aula que estimulam o raciocínio em seus alunos. A professora do colégio Maitê Fracassi também compartilhou com o público suas experiências no ensino da matemática. A educadora Lara Barris, da Escola Estadual Henrique Dumont Villares, em São Paulo, foi outra que dividiu os seus relatos.

O dia foi marcado também pelos lançamentos das versões brasileiras do livro Mentalidades Matemáticas na sala de aula, de Jo Boaler, Jen Munson e Cathy Williams, voltado aos educadores brasileiros, e do conteúdo online disponibilizado pelo Youcubed.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *